Artistas do Laboratório de Música 2019 realizam shows na segunda semana da Mostra de Artes do Porto Iracema

Com repertórios múltiplos, da música eletrônica à instrumental, passando pelo rock e o soul, as apresentações acontecem gratuitamente, nos dias 12 e 13 de dezembro, no anfiteatro do Dragão do Mar

Após meses desenvolvendo seus projetos no Laboratório de Música do Porto Iracema das Artes, a banda Pulso de Marte, a Orquestra Transversal, o cantor Lua e a cantora Luiza Nobel vão mostrar ao público o resultado do processo formativo deste ano em quatro shows, durante a sétima edição da Mostra de Artes do Porto Iracema (MOPI 7). Com repertórios que transitam entre o instrumental, o eletrônico, o rock e o soul, as apresentações da MOPI de Música serão nos dias 12 e 13 de dezembro, no Anfiteatro do Dragão do Mar, sempre às 19h. O acesso é gratuito.

Orquestra Transversal / Foto: Té Pinheiro

Na quinta-feira, 12, quem abre a noite de apresentações é o projeto “Peripécias Transversais”. Formado por doze integrantes, contando com alunos e ex-alunos da Universidade Estadual do Ceará (Uece), dirigidos pelo professor Heriberto Porto, o projeto da Orquestra Transversal traz para a MOPI 7 um show inédito e com participações especiais. Entre elas, a tutora do projeto e um dos grandes nomes da música instrumental do País, Léa Freire; o bandolinista e ex-Lab Música, Pedro Madeira; a flautista francesa ex-integrante da Orquestra, Léa Duez; e os instrumentistas reconhecidos na cena local, Pedro Façanha e Brena Freire.

O público vai conferir arranjos inéditos para obras de Léa Freire, trabalhadas durante a imersão no Laboratório de Música, além de músicas dos ex-Labs Luizinho Duarte e Pedro Madeira, com releituras de Hermeto Pascoal e Ednardo.

Lua.

Em seguida, sobe ao palco o cantor Leonardo Correia, o Lua, com seu projeto “Atlântico”, primeiro álbum de estúdio da carreira do artista cearense. Com tutoria do DJ e produtor carioca Omulu, responsável por nomes de sucesso da música pop brasileira atual, como Luedji Luna e Duda Beat, o trabalho de Lua reúne música eletrônica, pop e regional, formando o estilo denominado de Arrasta Wave, que mescla referências da música nordestina com o synthpop alemão e do synthwave.

No mesmo dia da MOPI, Lua lança o primeiro single do álbum em todas as plataformas digitais. “Sol em Peixes” virá acompanhado de videoclipe dirigido por Natália Albuquerque. O show de Lua, que conta com a colaboração do baterista Rony Duarte, também terá participações especiais, como a da rapper MADAME, do dançarino Diassis Guerreiro e do tutor do projeto, OMULU.

Música de mulher

Pulso de Marte / Foto: Té Pinheiro

Na noite seguinte, 13 de dezembro, a sexta-feira vai ser das mulheres na MOPI de Música. Também a partir das 19h, a banda “Pulso de Marte”, que desenvolveu projeto homônimo tutorado por Raquel Virgínia, cantora e compositora da banda As Bahias e a Cozinha Mineira, apresenta um novo show que representa uma verdadeira “sacudida” na rota de trabalho do grupo liderado por Letícia Monteiro e Nathalia Rebouças e que também conta com Jefferson Lima e Charles Costa.

Sob a orientação de Raquel Virgínia, que trouxe à banda novos métodos de criação, além de conceitos que colaboram na elaboração de um trabalho que almeja destaque na cena pop brasileira, a “Pulso de Marte” vai mostrar ao público a finalização das canções de seu novo álbum, realizado em parceria com o produtor e músico Paulo “Wide Open Mind” Tomé (ex-Lab Música 2017 no projeto de Daniel Peixoto) e já prenunciado no single “Nós”, lançado em fevereiro deste ano nas plataformas digitais.

Luiza Nobel / Foto: Alan Sousa

Fechando a MOPI de Música deste ano, a cantora Luiza Nobel apresenta o resultado do projeto “Um corpo sem voz em busca de voz”, primeiro projeto autoral de sua carreira, que teve a tutoria da produtora, cantora e compositora Mahmundi. Ao lado dos músicos Zeis (guitarra e programação), Glauber Alvez (baixo e programações) e Daniel Rebouças (bateria), a cantora que vem ganhando destaque na nova cena musical cearense fez experimentações sonoras nas linguagens analógicas e digitais e concebeu canções relacionadas à aceitação do corpo, relações amorosas e reflexões da mulher negra.

Na sua jornada em busca de uma musicalidade que transite pelos gêneros soul, jazz, blues, rock, samba/rock, desembocando na música pop que domina as plataformas digitais, Luiza mostra no palco a potência da cantora, que também é atriz, com sua poética em que a condição política fica clara nas letras irônicas.

Confira, abaixo, mais informações sobre os artistas e grupos.

– Orquestra Transversal
Projeto “Peripécias Transversais”
A Orquestra desenvolve o estudo, execução e divulgação de repertório camerístico clássico e de linhas contemporâneas, bem como a música brasileira popular e erudita. Estimula e acolhe ainda a produção de compositores e arranjadores cearenses – Liduino Pitombeira, Jaderson Teixeira, Luizinho Duarte, Aroldo Araújo já escreveram para o grupo.

Desde 2006, o grupo realiza trabalho com regularidade de ensaios e permanência de integrantes. Já se apresentou em eventos da UECE, festivais de música e concertos em teatros em Fortaleza e no interior do Estado, além de concertos de cunho social, como em comunidades da periferia, escolas de música e hospitais – no IPREDE, no Teatro Carlos Câmara, CCBJ, CCBNB, Dragão do Mar, Teatro José de Alencar, na Conferência Internacional de Educação Musical de Sobral, praças, asilo de idosos, prisões. A Orquestra é formada por Heriberto Porto (diretor), Ailton Santana, Samuel Pereira, Manuel Barbosa, Willian Robson, Mateus Albano, Marcílio Holanda, Yan Guedes e Sara Rebeca (flautistas), William Madeiro (violão) e Agenor Pereira (percussão).

– Lua
Projeto “Atlântico”
LUA é cantor, compositor e produtor musical, codinome de Leonardo Corrêa. Desde 2012, o artista vem experimentando a música eletrônica em diversos projetos, e em 2018 iniciou a criação e produção de seu primeiro álbum solo nomeado Atlântico. Desenvolvido no Laboratório de Música e com tutoria do produtor musical Omulu, o trabalho traz nove faixas, inspiradas no calor do litoral cearense, fazendo conexão com a vida pessoal e espiritual do artista.

– Pulso de Marte
Projeto “Pulso de Marte”
Liderada por duas mulheres, Letícia Monteiro e Nathalia Rebouças nas composições, vocais e guitarras, a banda de rock Pulso de Marte tem 4 anos de atividades. Com Jefferson Lima Castro (bateria) e Charles Costa (baixo), as principais referências são o indie rock, MPB, pop e hardcore. A banda está finalizando seu segundo CD, “Marte é Mulher”, depois da temporada de shows e festivais mostrando o repertório do primeiro, “A Busca”, disponível nas plataformas.

– Luiza Nobel
Projeto “Um corpo sem voz em busca de voz”
Um corpo sem voz em busca de voz é o primeiro projeto autoral da cantora Luiza Nobel. Apresenta canções tematizadas na aceitação do corpo, relações amorosas e reflexões da mulher negra. Busca encontrar uma musicalidade que transite pelos gêneros produzidos dentro na era analógica, como o soul, jazz, blues, rock, samba/rock, mas que também passeie pela música pop digital produzida atualmente. Integram o projeto os músicos Moisés Felipe Carvalho (Zéis) e Glauber Alvez.

Sobre a Escola
O Porto Iracema das Artes é uma instituição da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará, sob gestão do Instituto Dragão do Mar (IDM). Criada em 29 de agosto de 2013, com seis anos completados em 2019, desenvolve processos formativos nas áreas de Música, Dança, Artes Visuais, Cinema e Teatro, com a oferta de Cursos Básicos e Técnicos, além de Laboratórios de Criação. Todas as ações oferecidas são gratuitas.

Serviço
O quê: Artistas do Laboratório de Música 2019 realizam shows na segunda semana da Mostra de Artes do Porto Iracema
Quando: 12 e 13 de dezembro, a partir das 19h
Onde: Anfiteatro do Dragão do Mar (Rua Dragão do Mar, 81, Praia de Iracema)
GRATUITO

 

Assessoria de Comunicação Porto Iracema das Artes | Rafaela Leite

Publicado em 05/12/2019