Cecília Andrade reflete as relações entre corpo e casa em novo “Entre Telas Artes Visuais”

Partindo de representações ancestrais da arquitetura e de estudos desenvolvidos antes e durante a pandemia, a artista visual e arquiteta falará sobre sua série “Corpocasa”. A live acontecerá na próxima quarta-feira (23), a partir das 10h15min

Segundo o artista-arquiteto austríaco Hundertwasser, o homem porta cinco peles: sua epiderme, a roupa, a casa, o meio ambiente onde vive e o mundo. A partir dessa conexão e de estudos realizados antes e durante o período de isolamento social, a arquiteta e urbanista Cecília Andrade desenvolveu a série “Corpocasa”. Ela será a próxima convidada do “Entre Telas Artes Visuais”, onde falará sobre a interação entre sua poética, suas influências e a quarentena. A live acontece na próxima quarta-feira (23), a partir das 10h15min, pelo Instagram do Porto Iracema das Artes.

Mestre em Artes pelo Programa de Pós-Graduação em Artes da Universidade Federal do Ceará (UFC), Cecília também integrou o Laboratório de Artes Visuais do Porto Iracema, com o projeto de pesquisa teórica “Onde sopram os ventos, fincar os pés na areia”. Sua poética, que sempre trouxe relações com a cidade, a rua e o caminhar, ganhou novas perspectivas durante o período de quarentena, em que se viu confinada.

Foto: Lia de Paula

Ao longo da live, mediada pela coordenadora do Laboratório de Artes Visuais, Aline Albuquerque, ela falará sobre a série artística e seus processos, desenvolvidos antes e durante o isolamento social. Além disso, também discutirá suas influências e as reflexões feitas a partir dos estudos sobre representações de arquitetura ao longo da história, sistemas de projeção, primeiros modelos tridimensionais e o pensamento de Hundertwasser sobre o homem e a arquitetura.

O Entre Telas integra uma série de ações virtuais promovidos pelo Porto Iracema Escola neste período de isolamento social e vem trazendo artistas e pesquisadores a fim de discutir suas formações e processos criativos sob diferentes contextos.

Sobre o projeto “Corpocasa”

Antes do advento da pandemia, Cecília vinha estudando sobre representações de arquitetura ao longo da história, na forma de modelos e desenhos desde a antiguidade. Especificamente no desenho vinha se debruçando sobre os sistemas de projeção que resultam nas formas mais comuns de codificar o desenho – ortogonal, axonométrica e perspectiva – suas aparições e usos ao longo do tempo e em diferentes culturas. Da modelagem, lhe encantou ler sobre os primeiros modelos tridimensionais. Essas representações ancestrais não eram maquetes, no sentido que conhecemos, mas objetos rituais. Apareceram como bandejas de oferendas, em sua maioria, emulando casas. Quando o covid-19 apareceu o distanciamento social se impôs, veio o #ficaemcasa. Sua poética sempre teve a ver com a cidade, com a rua, o caminhar, e, agora, se via confinada. Lembrou de um artista-arquiteto que sua amiga Aline lhe apresentou a muito tempo, o Hundertwasser, que pensa o homem como portador de 5 peles, sua epiderme, a roupa, a casa, o meio ambiente onde vive e o mundo. Em sua teoria essas instâncias são camadas, não polaridades. Esse pensamento nos leva a uma concepção de mundo onde todas as ações estão conectadas. E é isso mesmo que a necessidade de ficar em casa nos revela. Precisamos estar separados pois estamos extremamente conectados, precisamos de distância, pois estamos muito perto. Tudo é vizinhança e nosso auto-cuidado é cuidado com todos. Nossa vizinhança é o mundo. A série “Corpocasa” é resultado da interação dessas influências e estudos.

Sobre Cecília Andrade

É artista visual, arquiteta e urbanista. É mestre em Artes pelo Programa de Pós-Graduação em Artes da Universidade Federal do Ceará. Sua pesquisa resultou na exposição “Excursão Pajeú”, com a qual foi finalista do Prêmio Select de Arte e Educação em 2018. Participou do Laboratório de Artes Visuais do Porto Iracema das Artes, junto a Allan Diniz, com o projeto de pesquisa teórica em Artes “Onde sopram os ventos, ficar os pés na areia”, com tutoria de Cláudio Bueno, que produziu um percurso entre artistas e suas poéticas relacionadas às mudanças da paisagem em Fortaleza, entre 1980 e 2016. Atualmente é professora da Faculdade de Arquitetura da UFBA.

Sobre a Escola

O Porto Iracema das Artes é a escola de formação e criação em artes do Governo do Estado do Ceará, ligada à Secretaria da Cultura do Estado do Ceará, sob gestão do Instituto Dragão do Mar (IDM). Criada em 29 de agosto de 2013, há sete anos desenvolve processos formativos nas áreas de Música, Dança, Artes Visuais, Cinema e Teatro, com a oferta de Cursos Básicos e Técnicos, além de Laboratórios de Criação. Todas as ações oferecidas são gratuitas.

Serviço

O que: “Cecília Andrade reflete as relações entre corpo e casa em novo Entre Telas Artes Visuais”
Quando: 23 de setembro (quarta-feira), a partir das 10h15
Onde acessar: Instagram do Porto Iracema das Artes

Equipe de Assessoria de Comunicação Porto Iracema das Artes | Rafaela Leite
Publicado em 18/09/2020