Laboratório de Artes Visuais 2019

Ana Paula Vieira
Pesquisadora e realizadora. Graduada em Cinema e Audiovisual pela UFC e mestranda em Artes (PPGArtes ICA|UFC). É integrante do LAMUR – Laboratório de Artes e Micropolíticas Urbanas e do Laboratório de Artes Visuais do Porto Iracema das Artes. Atualmente, é coordenadora do projeto de formação audiovisual Cinema no Brejo.

 

 

 

 


 

Bárbara de Moira
Ex-futura bióloga que não aguentou o não ser artista. Experimenta o fazer artístico através da fotografia, da performance, do bordado e da instalação; tensionando questões de gênero, afetividades e violência.

 

 

 

 

 


 

Beatriz Gurgel
Artista etc, pesquisa o corpo e a si própria. É recorrente a investigação do sentir, o uso da linha, da palavra e da cor vermelha. Estudante do curso de Licenciatura em Artes Visuais, faz parte do coletivo Ateliê Migratório e participou de exposições coletivas como Mulher Vírgula, Fruto Nosso e 68° Salão de Abril e outras.

 

 

 

 

 


 

Beatriz Benitez
Artista visual, fotógrafa e atriz. Graduada em Cinema e Audiovisual pela UFC. Nas Artes Visuais, sua pesquisa se dá no litoral da cidade Fortaleza, onde se inquieta com questões referentes ao mar, à água, ao corpo, à gentrificação, ao avanço da especulação imobiliária. Atua como fotógrafa freelancer e integra o Coletivo Abarrua.

 

 

 

 

 


Carliane Menezes
Professora de Filosofia, zineira e performeira. Capitu. Pesquisa anarquismo e nova pornografia. Usa @ zine na escola como um recurso pedagógico sem gênero, sem diagramação e marginalizado. Na rua usa a xerox d@ zine como lambe com intervenções com público e sem câmera. Não vende zines.

 

 

 

 

 

 


 

Charles Lessa
Artista visual e artesão caririense. Desenvolve experimentações plásticas sobre universo simbólico. Dedica-se às artes feitas com as mãos, modelagem, desenho e pintura com desdobramentos na arte urbana. Interessa-se pela artesania nas artes visuais e localiza-se na simbiose entre arte popular e arte contemporânea.

 

 

 

 

 


 

Daniel Neves
Designer e artista visual. Tem pesquisa em torno dos deslocamentos urbanos, tendo como expressão desenho, pintura digital e dança. Tem uma relação de luta cicloativista/modos de deslocamentos ativos. Iniciando em Dança Contemporânea, compõe atualmente a terceira turma do CIDC PRODANÇA.Também integra o grupo de estudos Local, sobre a tutoria de Waleria Américo.

 

 

 

 

 


 

David Felício
Historiador, graduado pela UFC, professor da rede estadual de educação em Fortaleza, pesquisador e artista visual. Desenvolve, em artes visuais, junto com Jorge Silvestre, uma pesquisa acerca dos usos e das transformações de fontes históricas na trajetória dos negros no Ceará, pensando como a manipulação das narrativas, individuais e coletivas e a manifestação de outras sensibilidades podem ajudar a repensar essa história.

 

 

 

 

 


 

Delano Gurgel Queiroz
Artista visual com início no Cinema, busca tensionar os limites postos entre cinema e outras linguagens audiovisuais, além de estar interessado em pesquisar as mais diferentes possibilidades de quebrar o formato de tela da exposição audiovisual. Possui curtas autorais e é diretor da série audiovisual “Arte Circunstância”, aprovado no Edital das Artes SecultFor em 2018.

 

 

 

 

 


 

Gabi Trindade
Artista visual, realizadora e diretora de fotografia. Pesquisa os processos criativos da Dança e do Teatro em confluência com a produção no audiovisual. É formada na 4° turma de Realização em Audiovisual da Vila das Artes. Integrante da coletiva Subterrânea, que desenvolve processos abordando gênero e sexualidade.

 

 

 

 

 


 

 

Esther Alencarina

Lencari, artista visual, não atriz, fortalezense, um corpo morto vivificado, graduanda em Comunicação Social. Pesquisa a pintura acrílica e repensa as relações de processo e produto tomando as artes plásticas como performance, a partir de composições em tempo real, action painting e performance art. Hoje a pesquisa se desenvolve no sentido ritualístico, a pintura como adoração e contato com o Divino [o lugar santo], sendo a criação abstrata dependente dos acontecimentos espirituais da performance.

 

 

 


Jean dos Anjos
Artista, pesquisador, fotógrafo e antropólogo. É mestre em antropologia pela UFC/Unilab. Atua, principalmente, fotografando festas religiosas da umbanda cearense, com interesse especial por corpos em transe. Realizou as exposições individuais “O Céu de Iemanjá” e “Cartas para Iemanjá”. Foi premiado no 67º Salão de Abril, em 2016, com a obra “Ela é bonita, Ela é mulher”.

 

 

 

 

 

 


 

Jefferson Skorupski / (Madalena/CE)
Artista da performance arte, besha-negrx-periféricx-sertanejx artivista, críticx e pesquisadorx da política e do social, sua poética resiste à meritocracia brasileira no alcance dos encalços da macropolítica vigente. Sua arte se concentra na micropolítica e no seu potencial propulsor de mudanças/provocações sociais, bem como se utiliza do site specific como ferramenta articuladora com a performance arte.

 

 

 

 

 


 

Larissa Batalha
Artista/Bióloga. Passarinha o traduzir memórias, conversas e partilhas em convergência com apropriações científicas em diversas linguagens. Produtora/idealizadora do Ateliê Migratório. Produtora do Coletivo Absolutamente Ninguém. Integrante do grupo Local: Estudos, Pesquisas e Ação em Artes Visuais e Performance, sob tutoria de Waléria Américo.

 

 

 

 

 


 

Layla Fontenele
MAGAFOITA é artista visual e bota o seu através de desenhos, fotografias e audiovisual. Pelas suas perambulâncias nos espaços, realiza trabalhos/pesquisas sobre gênero, sexualidade, feminismos e ato político na rua. Desenvolve arte urbana por meio de lambe-grudes. Em 2019, participou da micro-residência ATERRARFOGO, em parceria com a Sala Vazia Residência e integrou a Exposição Mostra o Teu, na Carnaúba Cultural.

 

 

 

 

 


 

Leonardo Câmara
Pesquisador e realizador em audiovisual, é graduado Publicidade e Propaganda pela UFC. Integrou a quarta turma do Curso de Realização em Audiovisual da Vila das Artes. Atualmente integra a coordenação do projeto de formação audiovisual Cinema no Brejo – Laboratório Rural de formação e experimentação audiovisual, realizado em Baturité. Pesquisa as interseções entre cinema, arte e educação e metodologias de criação coletiva.

 

 

 

 

 


 

Levy Freitas
Pesquisador, artista e geógrafo. Mestre em Geografia/UFRN e membro do Lab. Artes Visuais da Escola Porto Iracema das Artes. Desenvolve trabalhos em diálogo com espaço, paisagem, som, imagem e relações étnico-raciais.

 

 

 

 

 


 

Lívio do Sertão
Artista insurgente no Cariri, Lívio do Sertão transita entre mundos dis/u/t(r)óp[t]icos, enquanto lê Geraldo Urano sob juazeiros, barrigudas e cafés que se derramam Chapada abaixo. Bebe das águas sagradas da Batateira pra dar miolo a suas invencionices poético visuais. Como romeiro que é, segue caminhando em busca de novas graças e agradecendo as adquiridas.

 

 

 

 

 


 

 

Lucas Dilacerda
Artista e filósofo. Graduado e Mestrando em Filosofia na UFC. É coordenador do Grupo de Estudos em Estética e Filosofia da Arte; do Grupo de Estudos Guerras do Contemporâneo; do Laboratório de Arte Contemporânea e do Grupo de Estudos em Arte e Decolonialidade. É integrante do Laboratório de Artes e Micropolíticas Urbanas. Participou de diversas exposições e foi vencedor do 70º Salão de Abril.

 

 

 

 


 

Marcella Elias
Artista visual multimídia, atua nos meios de fotografia, vídeo e cinema. Formada em Comunicação Social e cursando especialização em Cinema. Seu ensaio fotográfico Elisa participou de exposições coletivas, dentre elas, no Museu da Cultura Cearense. Fez a direção de fotografia do curta-metragem Grilhões. Sua pesquisa atual – Mulheres Invisíveis – inclui uma instalação que gira em torno do feminino e de dar visibilidade a histórias de mulheres.

 

 

 

 

 


 

Matheus Dias / MDIAS PRETO
Artista visual que trabalha com fotografia, vídeo, colagem e design gráfico. Busca tensionar questões de raça, corpo, gênero e LGBTQI+. Atualmente permeia entre si e seu heterônimo MDias Preto, artista contemporâneo que trabalha mais com a arte expandida, utilizando as cores como meio de criação de um universo paralelo.

 

 

 

 

 


 

Milena Fernandes
Sol em gatinha, ascendente em sardinha. Artista-docente-pesquisadora diretamente de Caucaia. Com as artes visuais, atua principalmente como quadrinista e ilustradora. Atriz e palhaça, também encontra no teatro e na palhaçaria uma ligação de afeto e esforço. Artista multimídia, desenvolve pequenos projetos audiovisuais independentes.

 

 

 

 

 


 

Mychel Távora

Artista visual. Possui algumas idéias medíocres que registra e as disfarça de excelências No final dos anos 80, publica fanzines de histórias em quadrinhos, colagens e ilustrações. No período de 1992 a 1994, publicou HQs nas edições do grupo cearense Seres Urbanos. Em 2009, ingressa no coletivo Monstra e participa de várias exposições coletivas. Em suas obras procura retratar ironias, frustrações e banalidades do cotidiano, utilizando a própria experiência e memórias afetivas.

 

 

 

 

 

 


 

Núbia Agustinha
Artista/professora/pesquisadora. Graduada em Artes Visuais pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará – (IFCE) e Pedagogia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Teve formação inicial em Artes Visuais pelos cursos livres do Instituto Dragão do Mar de Arte e Indústria Audiovisual do Ceará. No campo das Artes Visuais, atua com gravura no campo expandido, instalação e performance.

 

 

 

 

 


 

Plantomorpho
Natural de Fortaleza-Ceará. Formado em Artes Visuais pela UFRB, pesquisa afinidades entre arte e biologia, construindo relações simbólicas que evidenciam processos e estruturas biológicas através do desenho e do bordado. Sua obra perpassa ainda por temáticas como mito, memória, corpo e narrativas pessoais. Realizou exposições individuais e coletivas em Cachoeira (BA), Britânia (GO) e Fortaleza.

 

 

 

 

 


 

Renata Maia

Designer, artesã pesquisadora e artista visual. Graduada em Design – Moda, pela Universidade Federal do Ceará (UFC), que encontrou poesia e sentido nas manualidades dos antigos ofícios de oleira e ourives. Atualmente, pesquisa a relação da arte com patrimônio cultural e edificado, localizado no Centro Histórico da cidade de Fortaleza.

 

 

 

 


 

Rodrigo Colares
É jornalista, músico e artista visual. Desenvolve AhaMuziKê – Inflexões e Reflexões sobre a Cena de Música de Fortaleza, busca narrativas e personagens messejanenses, investiga mudanças na paisagem da cidade e explora a manipulação de sintetizadores analógicos e digitais. Como músico, atua nas bandas Dronedeus, Fóssil, Missjane, Vitor C. e Micro-leão dourado.

 

 

 

 

 


Soupixo
Artista caririense, tatuadora e uma das sócias na empresa Fatozero Produções Culturais. Aborda nos seus trabalhos reflexões sobre o corpo, memória, questões de gênero e raciais. Assumiu vários heterônimos além do seu nome próprio, e o alter ego Suelí, que constrói em colaboração com Lívio do Sertão. Hoje soupixo, onde cabem todas essas mulheres que já foi e que permanecem vivas dentro de si.


 

Thomas Saunders
É bacharel em Publicidade e Propaganda pelo Centro Universitário 7 de Setembro (UNI7). Mestre em Comunicação pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professor Universitário Substituto na Graduação (Licenciatura) de Artes Visuais (Uece-FECLI); Graduando em Filosofia (Licenciatura) pela Uece e artista visual independente.

 

 

 

 

 


 

Victor Cavalcante
Victor Cavalcante é artista visual e designer. Estudante do curso de Licenciatura em Artes Visuais do IFCE e integrante dos coletivos Ateliê Migratório e Dê-Mão. Trabalha com experimentações em performance, pintura, desenho, bordado, fotografia, arte urbana, audiovisual e teatro. Pesquisa a sua relação com masculinidades, afetos, sentimentos, ativismo e política.