Micheline Torres, Leonardo França e Silvia Soter participam de conversa no Porto Iracema no dia 30 de outubro

A pesquisadora Silvia Soter

Encontro entre projetos do Laboratório de Dança integra mais recente edição do Amarrações Estéticas

Em mais uma edição do encontro Amarrações Estéticas, o Porto Iracema das Artes promove uma atividade com dois projetos do Laboratório de Dança da Escola. Participarão da conversa “Dramaturgias do Corpo” na próxima quarta-feira, 30 de outubro, a bailarina, coreógrafa e performer Micheline Torres, tutora do projeto “Bonito pra Chover”; o diretor, dançarino, ator e performer Leonardo França, tutor do projeto “Riddims – um desdobramento político na estética do Dancehall”; e a pesquisadora Silvia Sotter, convidada do projeto “Bonito pra Chover”. A atividade gratuita tem início às 18h, na Sala de Teatro Sidney Souto.

Sobre Micheline Torres
Bailarina, coreógrafa e performer, estudou Artes Cênicas na Unirio e Filosofia na UFRJ. Trabalhou por 12 anos como bailarina e assistente da Lia Rodrigues Companhia de Danças. Desde 2000 desenvolve trabalhos próprios situados entre a dança contemporânea, a performance e as artes visuais. Desde 2007 desenvolve o projeto Meu Corpo é Minha Política, contemplado com o prêmio Funarte Klauss Vianna 2009 e 2011, os projetos de residência do Centre National de la Danse (Paris), NRW/TanzHaus Dusseldorf, Centre Internacional des Récollets /Paris, Premio IBERESCENA/Alemanha, edital FADA 2012, Circuito Estadual das Artes 2012 e 2013, tendo sido apresentado em 25 cidades do Brasil e 10 países. Contemplada com o programa Rumos Dança do Itaú Cultural 2012-2014. Fundadora da Um Mar de Possibilidades Produções Artísticas. É terapeuta e Instrutora Master de Thetahealing®.

Sobre Leonardo França
Artista do corpo que faz do estilhaçamento um modo de operar na sua produção estético-política. Produz colaborativamente com vários artistas da dança, cinema, música, artes visuais e teatro. Graduado em Dança pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), atualmente desenvolve uma pesquisa de mestrado nessa mesma instituição. Desde 2010, integra a equipe de artistas-curadores da Dimenti Produções Culturais. Em sua atuação estilhaçada assume diferentes posições como diretor, dançarino, ator e performer. Suas criações ganham múltiplas configurações como espetáculos, instalações, livro-objeto, músicas e curtas-metragens. Em 2016, teve dois trabalhos indicados como melhores espetáculos de dança do Rio de Janeiro pelo Jornal O Globo: Ouriço que tem a sua direção e Looping: Bahia Overdub, em co-direção com Felipe Assis e Rita Aquino. Suas pesquisas artísticas já foram financiadas pelo prêmio Rumos Dança 2012/2013, pelo prêmio Klauss Vianna Funarte e indicada ao prêmio Bravo em 2016, concorrendo na categoria melhor espetáculo de dança com Looping: Bahia Overdub. Em sua trajetória já realizou residências artísticas na Escócia, Alemanha e Portugal.

Sobre Silvia Soter
Graduada em Comunicação Visual pela PUC-Rio (1988), em Dança pela Universidade de Paris 8, na França (1996) e com mestrado em Teatro pela Unirio (2005). Professora de Ginástica Holística – Método da Dr. Ehrenfried, formada por Marie-Josèphe Guichard na França (1996), desenvolve um trabalho de Técnica Somática. Foi professora do Curso de Dança da UniverCidade, de 1998 a 2011. Atualmente é professora do Departamento de Didática – Faculdade de Educação/UFRJ e coordenadora da área de cultura da Redes de Desenvolvimento da Maré. É crítica de dança do jornal O Globo e junto com Roberto Pereira, foi organizadora da publicação “Lições de Dança” (1999, 2000, 2002, 2004 e 2005). Atua como dramaturgista da Lia Rodrigues Cia. de danças desde 2002. Autora do livro “Cidadãos dançantes: a experiência de Ivaldo Bertazzo com o corpo de dança da Maré”, 2007, e do DVD “Corpo Aceso: experiências em Educação Somática para bailarinos e não bailarinos”, 2010. Desde julho de 2009, está a frente do programa de rádio semanal “Programa Arte e Movimento – Corpo e Dança” na Rádio Roquette Pinto, Rio de Janeiro. É ainda palestrante em diversos eventos, seminários e festivais de dança em todo País.

Sobre o programa Amarrações Estéticas
No vocabulário do mar, “amarração” é o ato de consolidar a atracação das navegações no cais dos portos e dar firmeza aos nós da rede de pescar. Assim, o Amarrações Estéticas coloca-se na perspectiva de consolidar os atos criativos, através de amarrações construídas a partir de diálogos entre os projetos dos Laboratórios de Criação.

Sobre a Escola
O Porto Iracema das Artes é uma instituição da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará, sob gestão do Instituto Dragão do Mar (IDM). Criada em 29 de agosto de 2013, há seis anos desenvolve processos formativos nas áreas de Música, Dança, Artes Visuais, Cinema e Teatro, com a oferta de Cursos Básicos e Técnicos, além de Laboratórios de Criação. Todas as ações oferecidas são gratuitas.

Serviço
O quê: Amarrações Estéticas da Dança – Conversa “Dramaturgias do Corpo”
Quando: Quarta-feira, 30 de outubro, às 18h
Onde: Sala de Teatro Sidney Souto do Porto Iracema das Artes (Rua Dragão do Mar, 160, Praia de Iracema)
Gratuito

Assessoria de Comunicação Porto Iracema das Artes | Lucas Casemiro
Publicado em: 24/10/2019