Projeto Mulheres Negras Resistem traz Cristiane Sobral para aula inaugural no Porto Iracema

A atriz e escritora Cristiane Sobral é a convidada deste ano para a abertura do curso. Foto: Arquivo pessoal.

Atividade marca início da 3ª edição do curso, que acontecerá de março a novembro de 2020

“Não vou mais lavar os pratos. Nem vou limpar a poeira dos móveis. Sinto muito. Comecei a ler.” Assim começa o poema da escritora e atriz Cristiane Sobral, cujo título foi emprestado a um de seus livros e agora nomeia a palestra que a artista vai realizar no auditório do Porto Iracema das Artes. A fala será no próximo dia 14 de março durante a aula inaugural “Rasuras no cânone – Não vou mais lavar os pratos: palavras com gosto de libertação”, promovida pelo projeto “Mulheres Negras Resistem”, a partir das 18h30min, no auditório da Escola. O evento é gratuito e aberto ao público em geral.

A atividade dá início à terceira edição do curso “Mulheres Negras Resistem: processo formativo teórico-político para mulheres negras”, que acontece desde 2018 no Porto Iracema. Cristiane Sobral vai trazer a fala dentro do eixo conceitual “protagonismo feminino e negro”. “Escrever é um caminho de ruptura do silenciamento histórico de mulheres negras nesse planeta, rompendo paradigmas naturalizados. As escritas negras promovem rasuras no cânone e além dele ao proclamar um gesto diante da realidade, ao propor outras perspectivas para o povo negro”, comenta a escritora.

Após a fala da convidada, acontecerá uma sessão de autógrafos com a autora. Estarão à disposição do público os títulos “Não vou mais lavar os pratos”, “Espelhos”, “Miradouros”, “Dialéticas da percepção”, “Contos”, “Poesias” e “Só por hoje vou deixar o meu cabelo em paz”, cada livro podendo ser adquirido por R$ 35,00.

Capa do livro “Não vou mais lavar os pratos”, de Cristiane Sobral.

Confira AQUI as fotos da aula inaugural da edição 2019, que contou com a presença da advogada Valéria Santos.

O projeto
Idealizadora e uma das coordenadoras do projeto juntamente com as pós-graduandas Ariadne Rios e Mona Lisa da Silva, a professora do curso de Bacharelado e Mestrado em Antropologia da Unilab Vera Rodrigues diz que a ideia é fazer da aula inaugural também “uma mostra da trajetória das nossas alunas egressas. “Temos ex-cursistas que ingressaram na pós-graduação após terem passado pelo curso e outras que ocuparam cargos públicos”. É mostrar os resultados, fazer uma trajetória dos projetos”, adianta.

O projeto “Mulheres Negras Resistem: processo formativo teórico-político para mulheres negras” foi lançado em 2018 em parceria com o Porto Iracema das Artes, que desde o início abriga os encontros. Contemplando ensino, pesquisa e extensão, tem formato de encontros presenciais que ocorrem quinzenalmente, em manhãs de sábado. Nesta edição, o curso disponibilizou 30 vagas voltadas para mulheres negras com idade mínima de 16 anos. O período de inscrições encerrou no dia 14 de fevereiro e contou com um total 102 mulheres inscritas. Os encontros na Escola iniciarão em março e seguirão até novembro deste ano.

Vera explica que as aulas do curso são divididas em módulos temáticos. Uma frase ligada ao feminismo negro é escolhida para intitular cada módulo, conectando-se ao conteúdo. Esta edição será aberta com o módulo “Quem sabe de onde veio, sabe para onde vai”. Uma das referências intelectuais desse módulo é a escritora cearense Jarid Arraes e seu livro “Heroínas Negras Brasileiras”. “Os módulos são dados por professoras negras da Unilab e focam no protagonismo das mulheres negras e de seu protagonismo, a partir de diferentes enfoques”, detalha a coordenadora.

O projeto é realizado pelo Centro de Estudos Interdisciplinares africanos e das diásporas (CEIÁFRICA), vinculado à Universidade de Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira (Unilab), e pelo Laboratório de Estudos e Pesquisas em Afrobrasilidade, Gênero e Família – NUAFRO, vinculado ao Centro de Estudos Sociais Aplicados – CESA, da Universidade Estadual do Ceará, coordenado pela professora Zelma Madeira/Serviço Social/UECE.

Sobre Cristiane Sobral
Carioca que vive em Brasília, Cristiane Sobral é mãe de Malick Jorge, de 10 anos, e de Ayana Thainá, de 09 anos. A escritora, poeta, atriz e professora de teatro possui mestrado em Artes (UnB) e pesquisa os teatros e literaturas africanas e afro-brasileiras. É também professora de teatro na Secretaria de Educação do Distrito Federal e tem nove livros publicados, sendo o mais recente “Dona dos Ventos” (poesia, ed. Patuá-SP). Em julho, fez temporada em Maputo (Moçambique) com “Esperando Zumbi”, dramaturgia de sua autoria publicada na Antologia de Dramaturgia Negra – FUNARTE-SP. Como palestrante, fez tour em 2019 em nove universidades estadunidenses, incluindo Harvard, com o tema “Rasuras no Cânone”.

Sobre a Escola
O Porto Iracema das Artes é uma instituição da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará, sob gestão do Instituto Dragão do Mar (IDM). Criada em 29 de agosto de 2013, há seis anos desenvolve processos formativos nas áreas de Música, Dança, Artes Visuais, Cinema e Teatro, com a oferta de Cursos Básicos e Técnicos, além de Laboratórios de Criação. Todas as ações oferecidas são gratuitas.

Serviço
O quê: Aula inaugural do projeto Mulheres Negras Resistem, com escritora e atriz Cristiane Sobral
Quando: Sábado, 14 de março, das 18h30 às 21h30
Onde: Auditório do Porto Iracema das Artes (Rua Dragão do Mar, 160 – Praia de Iracema, Fortaleza)
GRATUITO

Assessoria de Comunicação Porto Iracema das Artes | Lucas Casemiro
Publicado em 20/02/2020